Hoje é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

Ainda no século XXI, a tuberculose permanece como um importante problema de saúde pública. Estima-se que cerca de um terço da população mundial esteja infectada pelo bacilo causador da doença, e que em torno de 9,6 milhões de pessoas adoeceram e 1,5 milhões morreram em 2014. Além disso, estima-se que tivemos 480.000 casos de Tuberculose Multidroga Resistente em 2014, um grande desafio para o controle da doença.

Com o objetivo de conscientizar a populaçãoem relação ao impacto da tuberculose no mundo e divulgar as estratégias de prevenção e controle da doença, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a União Internacional contra Tuberculose e Doenças Pulmonares instituíram, em 1982, o DIA MUNDIAL DE COMBATE À TUBERCULOSE – no dia 24 de março.  Um século antes, em 24 de março de 1882, Robert Koch anunciou à comunidade científica a identificação do agente causador da tuberculose – Mycobacterium tuberculosis.

Nesse contexto, o Brasil está incluído entre os 22 países de maior carga de TB, que concentram cerca de 80% da doença no mundo. Em 2015, foram cerca de 63.189 casos novos de TB no país, correspondendo a uma taxa de incidência de 30,9 casos/100.000 habitantes. Cerca de 2,2 óbitos por /100.000 habitantes devido à TB ocorreram no Brasil neste mesmo ano.

Em 2014, o Ministério da Saúde (MS) implantou o teste rápido para diagnóstico de TB, o Xpert MTB/RIF. Esse método de biologia molecular tem sido recomendado pela OMS, por apresentar vantagens como: o resultado em cerca de duas horas, eadetecçãoda presença do DNA deM. tuberculosis fornecendo informação a respeito da  resistência ou não à rifampicina.

Embora a implantação do método rápido de diagnóstico de TB no país represente um avanço, outro ponto a se considerar é a desejável disponibilização universal da cultura para micobactéria com identificação de espécie e teste de sensibilidade.

Adicionalmente, o diagnóstico da TB é apenas uma etapa da cadeia de controle da doença. Novas estratégias direcionadas para a redução da taxa de abandono e aumento da de cura devem ser pensadas.

Os três pilares atuais da estratégia da OMSpara o controle da TB são voltados para este horizonte: cuidado integrado e centrado no paciente incluindo a prevenção; comprometimento político e da sociedade civil no combate à tuberculose; além de intensificação das pesquisas e incentivo às propostas inovadoras.

A SBPT tem se destacado na luta contra a TB, atuando especialmente na produção de diretrizes para TB, e no esforço contínuode atualização dos seus membros.

Comissão de TB da SBPT

Referências:

1. WHO. Global Tuberculosis Report 2014. Geneva, Switzerland: World Health Organization, 2015.
2. Ministério da Saúde. http://portalsaude.saude.gov.br acesso em 24 de março de 2016.